TOPO #01 - BIOCOR
TOP PEQUENO #02 - VIVER BRASIL
Página inicial - Blog do PCO Paulo César Oliveira

Depois do congelamento em ano eleitoral, Caixa sobe juros duas vezes


Depois de três meses da última elevação, a Caixa Econômica Federal voltou a subir as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança. As novas taxas passam a ser aplicadas somente aos imóveis financiados a partir do dia 13 de abril, última segunda-feira. Oficialmente, a Caixa informou nessa quinta-feira, que está elevando as taxas por causa do aumento da taxa básica de juros, a Selic. A última vez que o banco estatal tinha subido os juros do crédito habitacional foi em janeiro, após congelamento que durou todo o ano de 2014. De acordo com a Caixa, o reajuste dessa vez foi de 0,3 ponto porcentual em todas as formas de relacionamento com o banco. Nos financiamentos feitos pelo Sistema Financeiro Habitacional (SFH), a taxa balcão – para clientes sem relacionamento com o banco – subiu de 9,15% para 9,45% ao ano. Para quem já tem relacionamento com o banco (correntistas, por exemplo), os juros subiram de 9% para 9,3% ao ano. Os clientes que recebem salário pelo banco vão pagar taxa de 9% ao ano, ante 8,7% definida em janeiro. Essa é a mesma taxa que os servidores públicos que são correntistas do banco passam a pagar. Para os servidores públicos que além de correntistas também recebem pela instituição, a Caixa cobra juros de 8,8% nos financiamentos desde segunda-feira, ante 8,5% de janeiro.

Segundo a Caixa, as taxas dos financiamentos contratados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que incluem os do programa “Minha Casa, Minha Vida”, não sofrerão reajuste. A Caixa detém quase 70% do crédito imobiliário no país e a mudança na taxa de juros praticada pela instituição tem impacto nos juros dos demais bancos e no ritmo de atividade da construção civil.

 

 

Cuidado, muito cuidado com os juros bancários

Os juros sobre o cheque especial cobrado pelos sete principais bancos do país – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal (Caixa), HSBC, Itaú, Safra e Santander – aumentaram em média 0,35 ponto percentual de março para abril, subindo de 10,55% para 10,9%. A maior elevação, de 7,64%, ocorreu no Banco do Brasil, com o índice passando de 9,16% (em março) para 9,86% (em abril). Os dados são do levantamento feito pela Fundação Procon de São Paulo, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo. Eles apontam ainda que os correntistas do Bradesco estão pagando 0,76% mais sobre o que pagavam em março com a taxa fixada em 10,63%. Já na Caixa, o uso do cheque especial ficou 5,62% mais caro ao passar de 8,19% para 8,6%. No HSBC, houve alta de 2,02% com a alteração de 12,37% para 12,62% ao mês. O banco Itaú corrigiu o índice em 0,76%. Em março, cobrava 10,56% e, em abril, 10,64%. No Banco Safra, a taxa saltou de 9,75% para 10,4%, aumento de 6,67%. O banco Santander corrigiu a taxa de 13,24% para 13,49%, o que significa elevação de 1,89% sobre março último. Em relação ao empréstimo pessoal, a taxa média ficou em 6,02% ao mês, a mesma praticada por essas instituições, no mês anterior. A única correção foi observada no Banco Brasil onde a taxa subiu de 5,11% para 5,15%, alta de 0,78%. O Procon lembra que, em sua última reunião, ocorrida nos dias 3 e 4 de março, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou a taxa básica de juros, a Selic, de 12,25% para 12,75% ao ano, alta de 0,5 ponto percentual. O órgão alerta o consumidor a evitar novos empréstimos, especialmente, na modalidade cheque especial e orienta que o ideal é priorizar o acerto de débitos e evitar o acúmulo de dívidas.

Tags

Publicidade

Your Ad Here

Comentários

comentários

Newsletter

Tags