TOPO #01 - BIOCOR
TOP PEQUENO #02 - VIVER BRASIL
Página inicial - Blog do PCO Paulo César Oliveira

Ministro aposta que o balanço muda tudo na Petrobras


O ministro da Fazenda, Joaquim Levy (foto), destacou ontem, em Nova York, a expectativa com a publicação dos balanços da Petrobras nos próximos dias. Para ele, a divulgação dos resultados será mais um passo na reconstrução da empresa. Ele destacou também a expectativa com o novo Conselho de Administração da Petrobras, que deverá ter mais profissionais da iniciativa privada e menos indicações políticas. Ao participar, nessa segunda-feira da Cúpula das Américas de Política Monetária, promovida pela agência de notícias Bloomberg, Levy disse que o excesso de preocupação com a Petrobras é bom, mas indicou que parte das mudanças tem a ver também com a queda nos preços do petróleo no mercado internacional e, por isso, o impacto não é só na economia brasileira, mas também no exterior.

 

Aposta na capacidade do país de fazer o superávit programado

Em entrevista transmitida na internet pela Bloomberg, o ministro afirmou também que o Brasil tem, sim, condições de alcançar este ano a meta de superávit primário de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços gerados pelo país). Levy reafirmou que a maior parte do esforço do governo para equilibrar suas contas está concentrada nos cortes de gastos do governo e na “reversão” de certos benefícios fiscais. Ele se referia às desonerações em determinados setores, usadas até recentemente pelo governo para o enfrentamento da crise. Sobre os gastos com a Previdência, o ministro lembrou que, no Brasil, assim como em outros países, é importante estar alerta para não romper certos limites e verificar se esses limites são sustentáveis. Ele falou sobre a mudança no foco dos ajustes, implementados no segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, como as alterações em benefícios trabalhistas e previdenciários. Exemplificando com o caso das pensões por morte, o ministro disse que essa reforma ainda espera aprovação do Congresso Nacional. Segundo ele, se uma pessoa torna-se viúva muito cedo, não precisa ter o benefício previdenciário para sempre, pelo resto da vida. Ao justificar para a plateia da cúpula a necessidade do ajuste, ele explicou que, no Brasil, se “uma pessoa de apenas 30 anos fica viúva herda a pensão integral para sempre”.

 

Levy diz a investidores que no Brasil, quem faz errado vai preso

Joaquim Levy lembrou que, nos últimos anos, o país fez transferências importantes para pessoas de baixa renda, “tudo com muita transparência”. O ministro disse aos participantes do evento que os brasileiros entendem o que está acontecendo no país, conhecem os números. Além disso, há muito debate, inclusive na imprensa, em todos os lugares, [é o] “cerne da democracia”, acrescentou. O ministro voltou a defender que os investimentos em infraestrutura tenham origem mais nas empresas privadas, por intermédio do mercado de capitais, do que no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na mesma linha do discurso feito durante evento do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, encerrado no fim de semana, ele reafirmou que é preciso atrair capital externo para a infraestrutura “Ouvimos durante todo tempo [em Washington] que existe uma grande demanda por ativos de longo prazo. Temos pessoas idosos em muitos países, e as economias avançadas querem ter um fluxo de receitas estável. E nada melhor para investir do que um projeto de infraestrutura bem planejado. Neste fim de semana, ainda na capital americana, o ministro da Fazenda confirmou que o governo anunciará, possivelmente em maio, um novo projeto de concessões. Questionado sobre os protestos nas ruas, Levy disse que uma das melhores coisas no Brasil é a liberdade de expressão. No entanto, ao se referir mais uma vez à Petrobras, ele ressaltou que existe um certo nervosismo quanto à transparência “do que está acontecendo”, quando se diz que o país é um dos menos favoráveis ao investimento. “Eu respeito o ponto de vista, mas quem tem entendimento mais profundo, sabe que o Brasil é transparente e tudo nele tudo é debatido. É um país onde o governo presta contas de tudo que faz, tem eleições regulares, e onde as pessoas que fazem o que é errado, são presas.”

Publicidade

Your Ad Here

Comentários

comentários

Newsletter

Tags