TOPO #01 - BIOCOR
TOP PEQUENO #02 - VIVER BRASIL
Página inicial - Blog do PCO Paulo César Oliveira

Os fatos atropelaram os shoppings no segundo trimestre


Os shoppings brasileiros devem apresentar resultados menores no segundo trimestre deste ano sobre igual período de 2017, com uma combinação de eventos que inclui a greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo de futebol se somando ao ritmo mais lento que o esperado da recuperação econômica do país. “A tendência é um segundo trimestre mais negativo”, disse Gustavo Cambauva, analista do BTG Pactual. Ele destacou que, diferentemente de 2017, a Páscoa, uma das datas mais importantes para o varejo, este ano não caiu em abril, enquanto maio foi afetado pela greve de caminhoneiros e junho pela Copa do Mundo. Dados mais recentes divulgados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) mostram que o fluxo de visitantes nos mais de 570 empreendimentos do país caiu 2,3% em maio sobre um ano atrás, interrompendo uma sequência de altas desde o começo deste ano em decorrência da paralisação de 11 dias dos caminhoneiros. O faturamento do varejo brasileiro acumulou queda média de 25 por cento nos três dias de jogos da seleção brasileira, de acordo com um levantamento divulgado na sexta-feira pela empresa de meios de pagamento Cielo. “Somado a esses fatores, o clima também não ajudou. Esse ano, tivemos temperaturas mais altas no outono/inverno, prejudicando as vendas de vestuário de inverno que possuem um ticket (preço) mais alto”, completou Cambauva.

 

Mães e namorados aliviam a queda

Representantes das principais administradoras de shopping centers do país já alertavam em teleconferências sobre os resultados do primeiro trimestre sobre os desafios que o setor teria no decorrer de 2018. A Abrasce espera que o faturamento do setor entre abril e junho cresça menos que os 4,3%apurados no primeiro trimestre. “Eu ainda não apostaria em retração apesar desses impactos no fluxo (de consumidores), e sim em um crescimento mais próximo de 3%”, disse o presidente da entidade, Glauco Humai. De acordo com dele, o aumento das vendas no Dia das Mães (+6 por cento) em maio, e no Dia dos Namorados (+5 por cento) em junho, deve ajudar a minimizar os efeitos negativos da greve dos caminhoneiros e da Copa do Mundo. Para Cambauva, do BTG Pactual, o terceiro trimestre também deve ser difícil na comparação com 2017, quando o setor varejista se beneficiou dos saques das contas inativas do FGTS, uma medida que injetou um total de 44 bilhões de reais na economia do país. “O terceiro trimestre ainda vai ser amarrado e o quarto tende a melhorar, dependendo do candidato eleito”, concordou o presidente da Abrasce. Com a Agência Reuters.

Tags

Publicidade

Your Ad Here

Comentários

comentários

Newsletter

Tags