Logo
Blog do PCO

Brasil está sendo medicado, na veia, com remédio errado

O Brasil tem dificuldade para voltar a crescer. As indústrias estão trabalhando abaixo da capacidade instalada das fábricas, o desemprego continua afetando milhões de brasileiros e as medidas tomadas até agora parecem não ter surtido efeito. Para o economista e presidente da revista Mercado Comum, Carlos Alberto Teixeira de Oliveira (foto), os remédios adotados nos últimos 40 anos são para países maduros e desenvolvidos, não para uma sociedade nova como a brasileira. O resultado é o mesmo de um cachorro correndo atrás do próprio rabo, em outras palavras, não sai do lugar.

 

O PIB ficou abaixo do esperado e o crescimento econômico não está acontecendo com a velocidade que se esperava. Houve um excesso de confiança?

Nos últimos três anos nós temos presenciado uma situação que é bastante interessante. O ano começou com um otimismo desmesurado. Quando Temer assumiu, vários economistas e até o relatório Focus ( do Banco Central) previa um crescimento na faixa dos 3%. Alguns economistas chegaram a estimar um crescimento de 3,5%. Mas ao longo do tempo foram acontecendo novidades como a greve dos caminhoneiros, a crise na Argentina. Agora estamos tendo o coronavirus na China. Na verdade, nunca nós tivemos um período tão longo de queda do PIB tão forte com período subsequente de lento retorno da atividade econômica. Alguns economistas chegam a dizer que isso aí é uma proteção. No período de 2015 e 2016, o Brasil experimentou uma queda de 8% e nos últimos três anos, o crescimento máximo foi de 1,3% ao ano, em que pese tivemos as expectativas de crescimento de até 3%, que no meu ponto de vista era até factível.

 

O porquê dessa dificuldade de o país voltar a crescer?

 A máquina de crescimento econômico -venho dizendo isto há muito tempo- está velha e alquebrada e o Brasil desaprendeu a crescer de uma forma vigorosa e contínua, de forma sustentável. Em um cálculo recente que fiz, estimando que a economia brasileira vai crescer 2,4%, que é a estimativa do governo, e que cresceria 2,3% no ano passado, mesmo assim, vamos encerrar essa década, que termina no final deste ano, com um crescimento de apenas 9%. O que é muito pouco quando se compara o Brasil com o crescimento que o resto do mundo teve. Nesse período o Brasil, tendo crescido 9% não é nada, quando se compara com o que o mundo cresceu, que foi em uma média de 42%. As economias consideradas em desenvolvimento nesses 10 anos cresceram 60%. O mais assustador é que quando se faz um retrospecto das últimas quatro décadas, considerando que o ano ainda não terminou, o Brasil cresceu menos do que a média mundial. Nesses 40 anos a economia brasileira cresceu apenas 71%, ela dobrou e acrescentou mais 31%. A média mundial nesse período foi de 295%, ou seja, quase que triplicou. Nos países chamados emergentes, e em desenvolvimento esse crescimento foi de quase 500%. Foi de 484%. Nós estamos ficando para trás.

 

Onde está o erro?

O país tem uma altíssima concentração de renda, problemas estruturais seríssimos. Nós continuamos com obsessão atávica em busca permanente da estabilização, e às vezes pelo ajuste das contas públicas. Repete o que aconteceu em Portugal, na época de Salazar com moeda estável, com a economia com inflação relativamente baixa, com as contas públicas sob controle, em ordem, só que a economia não crescia. Ao final de 40 anos de governo, Portugal se tornou o país mais atrasado da Europa. É isso que está acontecendo. O Brasil, em vez de qualificar seu gasto público e investir na economia, fazendo investimentos que possam ser produtivos, não. O que aconteceu é que o governo adotou uma política monetária um tanto quanto suicida, com juros absolutamente extorsivos, os maiores já praticados na história mundial. Só no período do Plano Real para cá, o Brasil gastou com juros da dívida pública o equivalente a US$ 2 trilhões, o que equivale a um PIB anual. Imagina se um quarto disso aí, tivéssemos aplicado em infraestrutura. O Brasil seria outro. O grande problema é a falta de crescimento. Não vou dizer que nós temos que buscar o crescimento da época de JK, quando o Brasil cresceu a uma média anual de 8%. Mas a meta principal seria a de buscar o crescimento econômico de forma vigorosa, contínua, consistente e sustentável. Estou dizendo isto há 30 anos. Entra governo e sai governo, continua a mesma cantilena de sempre. A economia está definhando, entrou em um círculo vicioso. Quando tem um crescimento, é um crescimento de voo de galinha.

 

Onde o ministro Paulo Guedes está errando?

Vou repetir uma frase de Juscelino Kubitschek: “ pretender solucionar a crise brasileira com remédios prescritos para o único fim de estabilidade, como se fossemos manter uma terra exausta e um povo cansado, necessitado, desequilibrado, com poucas forças que ainda nos restasse, é semelhante as deformações que acarretam todas as analogias, ou no intento de se tratar as crises da puberdade, com medicamentos destinados a medicar a senectude”. Estão sendo adotados remédios não adotáveis à economia brasileira. Estão querendo aplicar aqui, lamentavelmente, receituário para países maduros e países desenvolvidos. Estão querendo aplicar políticas monetárias como aplicaram ao longo desses últimos 40 anos, que não são compatíveis com a nossa realidade econômica. Esse é o problema. Nós somos um país jovem, que está sendo construído. Não podemos nos comparar a um país já amadurecido. Não somos uma Áustria, que não permite nem cinco metros de asfaltamento, nem um leito hospitalar, porque não comporta. Esse é o grande problema.

 

Estamos no rumo errado?

O mais importante é ter crescimento econômico para gerar mais emprego, renda, aumentar a arrecadação e consequentemente, equilibrar as contas, produzindo mais. Nós temos que investir na produção. O Brasil precisa retomar a sua capacidade industrial, que foi reduzida a um terço. Se não houver uma mudança na mentalidade brasileira, se não desideologizarmos , se nós despolitizarmos a discussão econômica, voltando para o conceito básico primeiro, elementar, que é o crescimento econômico vigoroso, forte e contínuo, nós não vamos sair do lugar onde estamos. O que acontece é igual a um cachorro correndo atrás do próprio rabo. É um círculo vicioso, uma armadilha perversa que foi criada e que precisa ser desarmada. O investimento produtivo deve vir em primeiro lugar. Vir com teorias monetárias, muitas das quais estão obsoletas, inclusive nos países de primeiro mundo. Chicago já passou do seu tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *