Logo
Blog do PCO

Construção pesada espera crescimento mais rápido em 2020

O otimismo que tomou conta do setor da construção pesada no início do governo de Jair Bolsonaro, e de Romeu Zema, em Minas Gerais, não foi suficiente para que o setor tivesse um impulso em 2019. Ao contrário, a construção pesada em Minas ficou praticamente estabilizada, em um patamar muito baixo, e as expectativas são de a retomada deve acontecer de forma lenta. As empresas que tiveram melhor desempenho foram as que trabalham com as mineradoras, que tiveram que investir para garantir segurança onde operam. Esse cenário, no entanto, não tira o otimismo do presidente do Sindicato da Construção Pesada, Emir Cadar Filho. Ele acredita que a economia vai melhorar e o setor também, mas lembra que as obras rodoviárias dependem de recursos do governo e em Minas, por enquanto, não há recursos suficientes para realização de obras. Além disso, ele lembra que a recuperação do setor é lenta, já que depende de licitações, prazos e todo o processo burocrático que envolve uma obra pública.

 

 O setor produtivo está muito otimista em relação a uma reação da economia a partir deste ano. O setor da construção pesada também espera deslanchar?

Nós estamos otimistas de que o setor irá retomar, mas não no mesmo ritmo de outros setores, porque a construção pesada demanda muitos investimentos públicos, muitas ações, licitações, prazos que correm e com isso o dinheiro demora um pouco mais para chegar na construção pesada. Mas nós estamos confiantes de que o Brasil vai retomar o seu rumo, a economia melhora. E o Brasil retomando seu rumo, a infraestrutura retoma o ritmo imediatamente pois este é o carro chefe da economia. Estamos esperando um 2020 melhor. O ano de 2019 foi de aguardo, de muitas coisas saindo no governo federal, mas o estadual ainda sem um investimento na infraestrutura. Mas estamos esperando um ano melhor em 2020, com investimentos do governo federal também.

 

A retomada do desenvolvimento promete ser a grande pauta das candidaturas nas eleições deste ano. Isso pode ajudar o setor?

Acho que não é nem ajudar. O beneficiado será a população de Minas, porque o setor traz o progresso. Não tem jeito de falar do desenvolvimento de Minas sem retomar as obras nas rodovias, melhorar as condições das estradas e sem investimentos desse vulto. Nós estamos tranquilos de que quando o governo de Minas tiver algum centavo para investir ele vai começar pela infraestrutura, porque assim atrai outros mercados.

 

O setor tem conversado muito com o governo do estado. Qual é a expectativa do governo em relação a essa retomada de obras maiores no estado?

Nenhum governo deixa de fazer obra por vontade própria, isso é uma coisa natural. Mostrar um trabalho, que está investindo, mostrar a evolução na parte de infraestrutura é sempre importante. Não existe nenhum governo que não goste de investir. Quando não está investindo é porque não tem condições. Não vemos isso como uma opção. Não existe outra solução para o crescimento econômico. O governo tem trabalhado para tentar conseguir de qualquer maneira investir na infraestrutura, com os vários caminhos que ele está dando aí. Aguardamos que o governo arranje recursos para conseguir retomar as obras.

 

No governo federal?

O governo federal diminuiu, mas está seguindo pelo mesmo caminho, o das concessões, abrindo para a entrada do setor privado. O governo do estado está tentando as parcerias como meio de conseguir verba para continuar a investir. Estão todos se mexendo para melhorar a infraestrutura.

 

O modelo de concessão de rodovias tem sido muito criticado e alguns consórcios estão devolvendo, ou já devolveram, trechos de rodovias para o governo. No governo Bolsonaro está ocorrendo uma mudança no processo de contratação para atrair as empresas?

Os trechos das rodovias foram contratados quando havia uma expectativa de um país que queria crescer a uma projeção muito melhor do que foi a realidade. Com isso, as empresas tiveram problemas e o retorno não foi o esperado. Por isso não tinham condições de continuar e entenderam que era melhor devolver do que continuar sem conseguir investir e ficar sem as rodovias e sem os pedágios.

 

O governo melhorou esse processo?

Sim o governo está fazendo novas modalidades e novos desenhos de concessão, que e serão um sucesso.

 

Como o setor fechou 2019?

Houve uma melhora, mais na parte das empresas que trabalham com as empresas de mineração. Na parte rodoviária mantém estabilizado em um nível baixo de contratação, mas sobrevivendo para aguardar dias melhores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *