Logo
Blog do PCO

Municípios tentam evitar avanço do coronavirus

O avanço da pandemia do novo coronavirus nos últimos dias nas cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte tem assustado as autoridades. Mas em alguns municípios a situação está sob controle e estão sendo observadas as medidas para evitar a proliferação da doença, como o distanciamento social e o fechamento de setores do comércio. O prefeito de Nova Lima, Vítor Penido (foto), que também preside a Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig) e a Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Granbel), tem conversado com os prefeitos sobre a situação na região e diz que os recursos da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cefem) tem ajudado nessa fase de poucos recursos disponíveis.

 

O coronavirus está avançando, principalmente na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Houve um descontrole da doença?

Nós tivemos uma morte em Nova Lima e temos uma pessoa em observação. Nova Lima tem hoje leitos disponíveis não só da rede pública, como da rede particular de hospitais. A situação está sob controle. A abertura do comércio está restrita, as escolas não funcionam e nós estamos pedindo à população para quando houver desrespeito às normas ditadas pelo governo do Estado e pela prefeitura, que denuncie. Nós temos fiscalização e a situação de Nova Lima está sob controle.

 

Nas conversas que o senhor tem com prefeitos da Região Metropolitana, qual é a situação relatada por eles?

Até hoje, nas reuniões e conferências que nós temos feito, alguns prefeitos têm reclamado que em suas cidades não existem respiradores. No caso de Nova Lima, para o caso dos leitos públicos se esgotarem, nós temos acertado com os hospitais particulares, tanto no Vila da Serra, quanto com o Biocor, para que haja transferência dos pacientes para esses hospitais. Nossa situação está bem controlada e não foi passado, até hoje, nenhum caso de falta de atendimento. Houve recuo em algumas cidades, como Betim. É claro que o Medioli sabe o que está fazendo, o que pode e o que não pode. Ele tem uma equipe muito boa, que diariamente está avaliando os números.

 

A mineração é um dos setores que tem sobrevivido a essa crise provocada pelo coronavirua. As cidades estão recebendo os repasses da A Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cefem) normalmente?

Houve a paralisação da atividade em algumas cidades. Mas nenhuma cidade onde a Vale atua ficou sem receber o repasse. Quem recebia R$ 1 milhão por mês de Cefem, e a atividade da mineradora parou, a arrecadação caiu para R$ 200 mil. A Vale, nesse caso está completando essa diferença como doação. Isto acontece desde o ano passado. Até o mês de junho desse ano, nenhuma cidade atendida pela mineradora pode reclamar, porque o repasse está sendo feito normalmente. O prefeito pode reclamar de queda de arrecadação, queda nos repasses dos recursos de ICMS, mas não pode reclamar da Cefem. Não tem nenhum município atendido pela Vale que deixou de receber esse repasse. Não sei em relação as outras mineradoras. Mas em relação à Vale, ela tem repassado esses recursos normalmente.

 

 Esse recurso tem ajudado nesse momento de crise?

Sem dúvida nenhuma. Quando há queda de receita, se não houvesse esse recurso seria preciso sacrificar alguma coisa. O município que está mais ou menos estruturado e organizado, não tem problema. Nova Lima, felizmente, está com as contas em ordem. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *